Blog

A indústria cosmética e o impacto ambiental

A indústria cosmética e o impacto ambiental

Verão, férias à beira-mar significa sol, água, ondas e para alguns de nós – banhos de sol.

Mas o que acontece à água do mar, com tanta quantidade de cosméticos?

 

A exposição prolongada à luz solar requer proteção adequada da pele, como usar protetor solar com filtro UV. Os protetores solares são o melhor exemplo de produtos químicos que vão diretamente para o mar, rio ou lago enquanto nadamos.
O mesmo acontece com o sabão, sabonete líquido, gel de banho ou champô, que todos os usamos. Não importa quais cosméticos usamos durante o banho, todos eles acabam escorrendo pelos canos diretamente para o ralo. Em seguida viajam para a estação de tratamento de esgotos, onde o efluente é processado e clarificado.

Os cosméticos contêm substâncias que absorvem ou refletem a radiação ultravioleta da luz solar, como compostos orgânicos e inorgânicos, e podem se tornar graves poluentes aquáticos e infelizmente, grande parte das águas residuais poluídas com sabonetes, géis ou outros produtos cosméticos chegam ao ambiente natural, resultando em poluição significativa.

De partículas microscópicas de brilho a frascos de champô, a indústria da beleza tornou-se um dos principais contribuintes para a poluição da água. Além disso, os produtos químicos usados ​​para formular produtos cosméticos podem prejudicar a qualidade da nossa água.

A criação de produtos cosméticos e de autocuidado utiliza uma vasta gama de produtos químicos preocupantes. Estudos mostram que quantidades limitadas de filtros UV, parabenos e triclosan encontrados em cursos d'água podem ter efeitos nocivos.

 

Alguns dos produtos químicos mais prejudiciais ao meio ambiente em protetores solares incluem oxibenzona, benzofenona-1, benzofenona-8, 4-metil benzilideno cânfora, 3-benzilideno cânfora, óxido de zinco nanoestrutural, octinoxato e octocrileno, e isso é apenas o começo de uma lista muito longa de compostos nocivos em cosméticos. Essas substâncias têm uma influência negativa no ambiente aquático: recifes de corais, peixes e outros são altamente vulneráveis ​​à exposição. Esses produtos químicos afetam o zooplâncton e outros animais.

Os filtros UV encontrados em protetores solares também causam a morte de animais que vivem em sistemas aquáticos.

Oxibenzona perturba a atividade hormonal de corais e peixes, impossibilitando sua reprodução. Mesmo concentrações mínimas de oxibenzona, na ordem equivalente a 1 gota dissolvida em 6,5 piscinas olímpicas, são prejudiciais.

Tem também uma influência negativa sobre o plâncton (alimentação para os peixes). Se é prejudicial aos peixes, também é tóxico para nós.

Benzofenona-8, benzofenona-3 e benzofenona-1 é um desregulador endócrino que afeta o sistema hormonal,  é também considerado cancerígeno.

Cânfora 4-metil benzilideno, também é reconhecido como desregulador endócrino. É um dos compostos detetados em tecidos de peixes de água doce. Verificou-se que também afeta tecidos cerebrais de animais que vivem em águas poluídas por esse composto.

Em seguida, um composto perigoso é o óxido de zinco (ZnO). Seu pó é usado em filtros UV, enquanto partículas e pequenas nanopartículas podem se dissolver na água do mar, agregados ou sedimentos. Sua toxicidade é bem diferente dos compostos mencionados acima, embora ainda seja perigoso. Pode gerar espécies reativas de oxigênio que afetam organismos que vivem em sistemas aquáticos.

Octinoxato e octocrileno revelam toxicidade neurológica e perturbação hormonal.

Mas há também os parabenos (conservantes) em que estudos recentes o vincularam a mudanças no “sistema reprodutivo de animais experimentais machos”, podem afetar o desenvolvimento do feto, causando vermelhidão da pele e reações alérgicas em animais e humanos.

Os parabenos não são o único exemplo de compostos que ainda podem ser encontrados em cosméticos. Outro é o triclosan, usado como agente antibacteriano, sabe-se hoje que a exposição pode resultar em efeitos negativos em nossa saúde.

Antigamente, dizia-se que o triclosan não era tóxico e era amplamente adicionado a sabonetes, champôs ou até mesmo tipos de pasta de dente. Mais tarde, descobriu-se que é perigoso para os seres humanos e para o meio ambiente. Uma alta concentração de triclosan na água tem uma influência tóxica em muitos tipos de algas e crustáceos. Isso afeta sua estrutura e funcionamento e pode levar a um desequilíbrio nos ecossistemas aquáticos.

Embora removido com eficiência durante o processo de filtração, o triclosan ainda é encontrado em lodo de esgoto usado como fertilizante e produtos de higiene pessoal.

A lista de compostos prejudiciais ao meio ambiente é maior do que podemos imaginar. O hidroxianisol butilado (BHA) e o hidroxitolueno butilado (BHT) são usados ​​como conservantes e antioxidantes em cosméticos, como batons e cremes hidratantes. Em concentrações mais altas, eles podem ser tóxicos (por exemplo, nos rins, fígado) e alérgicos (irritação da pele) tanto para animais quanto para humanos.

O dibutil ftalato (DBP) é principalmente um ingrediente em vernizes e seus removedores, e sprays de cabelo. Devido à sua citotoxicidade, é proibido na União Europeia, embora ainda possa ser encontrado em muitos cosméticos.

A dietanolamina (DEA) é um agente espumante usado em cosméticos de limpeza como champôs, sabonetes e loções de banho. DEA pode causar irritação da pele e pode reagir com alguns produtos químicos formando agentes cancerígenos.

Todas essas substâncias mencionadas acima prejudicam o ambiente aquático – podem causar alterações no comportamento e crescimento dos peixes, perturbar o desenvolvimento do plâncton animal e vegetal e levar à morte de espécies que vivem na água.

 Resumindo

Os cosméticos chegam rapidamente ao solo, rios, oceanos e até mesmo à água potável, afetando o habitat natural e a vida selvagem. Apesar da crescente popularidade dos cosméticos ecológicos e orgânicos, o mercado de cosméticos está cheio de muitos compostos nocivos. Sempre que usamos protetores solares, loções ou cosméticos de maquiagem, tenhamos em mente que nadar não é uma boa ideia. Assim, todos eles seriam enxaguados da pele diretamente para o meio ambiente.

Mas… ainda acreditamos que só fazem mal aos seres vivos aquáticos? E ao ser humano que vive no mar, seja na altura das férias, como a fazer desporto? Os surfistas, estarão livres de perigo de problemas de saúde?

 

Da Joana Cosméica Natural



×